Home / Crônicas / Ubs e o Cidadão última parte

Ubs e o Cidadão última parte

Menos churrasco e outros apetites. Mais arroz integral caminhada e muito suco de maracujá num horizonte do novembro azul.

Enfim, após atendimento e encaminhamento do clínico, o exame de sangue apontou alterações. O retorno ao médico não foi muito diferente da vez anterior. Uma aparente impaciência e indisposição para conversa, caracteriza o atendimento. Após uma leitura silenciosa dos exames, ele rabisca algo ilegível e diz para eu agendar uma nutricionista. Foi uma conversa breve, no entanto, insisto, penso por alguns segundos imaginando ser eu o médico naquela sala.

Relato o histórico familiar com problemas urológicos. Dessa vez, como um touro raivoso carregado de amargura, providencia um outro encaminhamento, agora me integrando à campanha antecipada do novembro azul.

Passado um mês, estou na sala de espera para a conversa com o médico especialista. Sua finalidade precípua é avaliar o orifício alheio. Na sala de espera, uma conversa calorosa numa atmosfera de tensão e expectativa varonil. Ao meu lado, um flamenguista falante e revoltado com o contexto político. Ao lado dele, um gabiru que balançava cabeça a cada acusação do torcedor rubro negro. Mais adiante, alguns senhores idosos demonstravam uma serenidade perturbadora, que contrastava com a tensão da conversa.

Talvez a experiência no trato com as questões do reto, lhes tenham dado a paciência e sabedoria necessária, para o trato com a demanda masculina.

Aquela experiência dos idosos parecia desaprovar a prosa rebelde do flamenguista. Por fim, a cada chamada do médico a tensão aumentava e o silêncio que urrava de dentro do consultório agravava ainda mais a tensão dos varões.

A cada despedida dos usuários de dentro da saleta do médico, os olhos de quem aguardava a vez denunciavam o medo e o desconforto, e todo o contexto político que envolvia TEMER, LULA, PERUGINI, desapareceram.

A preocupação era com a temida injeção. De todo modo, o calvário por qual passei entre o agendamento até o especialista não me livrou do mal maior. Independente da circunstância que envolveu a espera de um médico, ainda que você tenha o êxito de ser prontamente atendido, isso não lhe garantirá salvação. Porque no final das contas, independente de ser rico ou pobre, todo o homem no mês de novembro, que vai tomar do reto.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *